×

A Dra. Renata Di Francesco e o Dr. Sady Selaimen da Costa falam sobre o 1º Congresso Online de Otorrinolaringologia

21/07/2009

Conversamos com a Dra. Renata Di Francesco e com o Dr. Sady Selaimen da Costa, que são respectivamente Presidente e Secretário do 1º Congresso Online de Otorrinolaringologia, para entendermos um pouco mais sobre essa inovação na forma de troca de conhecimento da ORL. O encontro virtual está marcado para o dia 19 de setembro com duração de quatro horas pela manhã, contendo tudo que um congresso presencial pode oferecer. Saiba mais.

Como e quando surgiu a ideia de criar um Congresso virtual de ORL?
Renata Di Francesco: A ideia do congresso online surgiu do sucesso do Otoweb, nosso programa de Educação Médica continuada à distância, que já contou com o acesso de quase 3000 sócios.

Quais serão os temas abordados e como ele será feito?
RF: Serão abordados temas das grandes áreas da Otorrino como, por exemplo, roncos, distúrbios da voz, reabilitação da surdez, plástica facial, dentre outros. Pretendemos a participação de palestrantes estrangeiros.

Ele será desenvolvido de que maneira? Será em um site específico? Um canal dentro do site da ABORL-CCF?
RF: O acesso ao congresso será por meio de um ícone na página da ABORL-CCF e terá um formato interativo, assim como o Otoweb. E terá tudo o que um congresso normal tem: as mesas redondas, conferências e salas de bate-papo (Chat), em que o congressista poderá conversar com os colegas, ou mesmo com os palestrantes, após suas apresentações. Haverá apresentação de temas livres e pretendemos que os colegas divulguem novas técnicas cirúrgicas por meio de filmes, etc.
A divulgação está sendo por meio eletrônico, assim como as inscrições. Tudo será realizado pela Internet.

Qual o número de pré-inscritos até agora? E até quando vão as inscrições?
Sady Selaimen: Já temos mais de 150 médicos inscritos. E as inscrições vão até quase a hora do congresso. O problema para quem se inscrever em cima da hora é que não irá poder votar nos temas que farão parte da programação científica. E também não receberá nosso coffee break simbólico com antecedência no consultório.

Quais as expectativas da Comissão para com esse inovador e inédito evento?
RF: As expectativas são as melhores, pois se trata de um projeto absolutamente inovador e esperamos ter o acesso de colegas de todo o Brasil, principalmente dos pontos mais distantes. O congresso terá uma forma interativa e permitirá uma participação bem próxima do congressista. Esperamos também formar uma nova cultura de acesso à distância, assim como a participação dos jovens otorrinos.

O senhor acha que o Congresso Online será uma nova tendência de troca de conhecimento?
SS: Tenho absoluta convicção que sim. Atualmente, busca-se informação na internet, já é uma tendência estabelecida. E este é um dos motivos desse Congresso virtual: queremos colocar a ORL na vanguarda. Além disso, é uma forma de internacionalizar a Associação. Teremos um convidado internacional na Palestra de Abertura, possivelmente de Portugal ou da Espanha, pelo fator lingüístico. Assim, há um vetor para que entremos na Sociedade deles também.

Como a diretoria da Associação recebeu a ideia, apresentada no Congresso Brasileiro de ORL ano passado?
RF: A diretoria recebeu muito bem a idéia e o Prof. Ricardo Bento nos deu todo o apoio para desenvolvê-lo.

Como o senhor avalia a receptividade do mercado em relação a essa nova ferramenta? Poderia ser uma possibilidade de captação de novos recursos ou parceiros para a Associação?
SS: A receptividade do mercado está sendo ótima. Sem dúvida é uma forma de capacitação, pois tentar reproduzir um congresso inteiro no meio virtual é inovador. O Congresso virtual pode ficar perenemente no ar, fica lá no meio virtual. Uma ótima oportunidade para os expositores e colaboradores.

Essa cultura de acesso à distância seria uma maneira de atingir ao jovens otorrinos?
SS: Francamente esta é uma maneira de atingir a todos os otorrinolaringologistas, já que o acesso à internet hoje é praticamente universal neste segmento profissional. Nossas ações de educação médica continuada priorizam uma tendência que é irreversível: buscar a informação atualizada na internet. Nos dias de hoje "quem não surfar nesta onda" está literalmente desconectado!

Ele será anual ou terá somente esta edição por não haver Congresso Brasileiro este ano, por conta do Mundial?
RF: Pretendemos que o evento seja bienal.

Este Congresso poderia se estender ao público leigo como forma de esclarecimento da população? O senhor enxerga isso como uma possibilidade em algum momento?
SS: Neste modelo que temos hoje de senha individual não. Não está previsto nada, mas nada impede. A Programação está aberta. É uma ideia para se pensar.