×

Dr. Domingos Tsuji

20/03/2008

Diretor de eventos e cursos da ABORL-CCF

 

1- Que balanço o Senhor faz dessa gestão e, em especial, das realizações da diretoria de cursos e eventos?
R:Durante esses últimos 2 anos todos os congressos bateram recordes de participantes, além de centenas de cursos com o apoio da sociedade feito em todo Brasil. Mas o melhor de tudo na minha opinião foi a abertura do congresso para que todos que quisessem participar tivessem um lugar na programação. A democratização foi excelente na minha opinião e de muitos outros, principalmente para jovens doutores.

2- O 39º Congresso vem aí e com ele uma grande expectativa, tamanho o número de atrações. Quais os principais fatores que o senhor poderia destacar neste congresso?
R: A programação científica rica, vários convidados internacionais, a hospitalidade mineira e as atividades sociais que estão muitos ricas e interessantes.

3- Quanto às palestras e seus conteúdos, o que o senhor espera delas? Haverá algo novo em alguma?
R: Além de mesas redondas, painéis e palestras internacionais, teremos as sessões interativas onde o ouvinte pode participar ativamente além de ouvir os experts no assunto. Discussão de casos práticos sempre é muito bem vindo e interessante para o ouvinte.

4- Você acha que este pode ser o melhor congresso de todos os já realizados?
R: Não teria a pretensão de dizer isso, mas certamente será pelo menos tão bom quanto.

5- Em quais áreas o senhor vai atuar e participar no Congresso?
R: Como um dos organizadores achei melhor restringir minha participação a somente uma na área da laringologia. Estarei por lá dando assistência ao que for preciso.


6- O congresso vai marcar também a posse da nova diretoria da ABORL-CCF. O que você achou do legado da diretoria que deixa a ABORL-CCF?
R: Acho que a diretoria atual inovou ao abrir as portas para a participação dos interessados e espero que de uma forma mais aperfeiçoada, esta democratização seja continuada na próxima gestão.

7- Esta diretoria priorizou os jovens médicos, as pesquisas e aprimoramentos científicos, e a interatividade. O que o senhor achou destas iniciativas? O que elas trouxeram de bom para a associação e para a área como um todo?
R: Todos nós fomos jovens um dia e com certeza tratar os jovens com devido respeito e confiança é o mínimo que nós, veteranos devemos fazer. Acho que essa diretoria, mais do que nunca soube dar esta abertura, não só científica, mas também nas atividades administrativas.

8- Quais as suas expectativas para com a nova diretoria? O senhor espera uma continuidade do trabalho, novidades ou mudanças?
R: Espero que sim, mas com todo o direito de aperfeiçoar e/ou inovar para melhor.

9- Voltando ao congresso, o senhor gostou da escolha de Minas Gerais como sede da 39ª edição?
R: Olha, não é por nada não, mas o povo mineiro é fantástico e está sendo excepcionalmente prazeroso trabalhar com a equipe do Dr. Ricardo Macedo. Ë um pessoal muito solicito e trabalhador.

10- Tem vontade de conhecer algum lugar específico da região?
R: Os botecos! (risos).

11- Quais os planos e objetivos da ABORL-CCF quanto aos eventos deste ano de 2008? Haverá alguma novidade, melhorias, reformulações?
R: Temos que nos empenhar para ajudar no que for necessário para a organização do mundial do ano que vem.